Perfumes Falsificados: não cheira coisa boa!

Na hora de trabalhar, estudar ou sair para se divertir, as pessoas utilizam o perfume para tornar mais agradável o aroma do corpo, além de ser um acessório que significa limpeza e higiene, podendo revelar gostos e traços da personalidade das pessoas. Eles podem ser importados ou nacionais, de diversas marcas e fragrâncias e todos, obrigatoriamente, em seu processo de fabricação, devem passar por testes de irritação e sensibilização dérmica antes de serem registrados na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Porém, a pirataria também encontrou espaço nesse mercado. As organizações criminosas por trás da pirataria se utilizam de métodos ilegais e prejudiciais à saúde na produção dos perfumes falsificados. Se utilizando de matérias-primas de procedência desconhecida que visa baratear os custos, as fragrâncias piratas são elaboradas com álcool combustível, que contém metanol (outro tipo de álcool) e substitui o tipo desnaturado (mais caro e utilizado nos perfumes originais), além de traços de polímero (plástico) utilizado nas embalagens e outros componentes nocivos à saúde. O metanol é altamente tóxico ao organismo e pode causar, cegueira, alergias, irritação, avermelhamento e descamação da pele, além de coceiras e inchaços.

Perfumes

Quem fabrica os produtos falsos, utiliza, além da composição química inadequada, frascos que são reaproveitados ou encontrados em lixões e, bandejas de isopor, que são usadas como embalagem para os frascos. Estes, são comercializados nas barracas de vendedores ambulantes pela cidade. Já os perfumes originais são vendidos em lojas da respectiva marca ou por representantes autorizados.

Por isso, o Projeto Escola Legal, vem informar dicas para identificar um perfume pirata.

1º – Verifique o nome, CNPJ e endereço do fabricante, importador ou distribuidor;

2º – Verifique também a etiqueta com o prazo de validade. Não compre se houver etiquetas sobrepostas umas ás outras. Os falsificadores prolongam o prazo de validade colando uma nova etiqueta por cima da antiga;

3º – Na embalagem secundária do perfume, deve conter as seguintes informações: precauções de segurança de uso; lista dos componentes químicos da fórmula; conteúdo líquido do frasco (ml); Nome do país de origem e; prazo de validade;

4º – Compre somente em lojas e representantes autorizados da marca. Nunca compre em barraquinhas ou em outros lugares não legalizados.

 

Fontes:

www.adipec.com.br/cartilha_combate_pirataria2007.doc

http://www.cosmeticosbr.com.br/conteudo/materias/materia.asp?id=1238

http://www.procon.sp.gov.br/pdf/Orienta%20Pirataria%20(2008).pdf

galaxiavenus.blogspot.com/2009_04_01_archive.html

Compartilhe
  • Print
  • Digg
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Google Bookmarks
  • email
  • Technorati
  • Twitter

Comentário

Digite a sequência acima *
Copyright © Amcham - Projeto Escola Legal: